2018-04-10 13:09 GMT-03:00 Marcela Costa <marcelinhacost...@gmail.com>:

> Caros participantes da lista obm-l.
>
> Tenho seguido esta lista lendo as mensagens de fora há algum tempo e
> fiquei cismada com duas mensagens que o participante Claudio Buffara enviou
> em 23 de março ( https://www.mail-archive.com/o
> b...@mat.puc-rio.br/msg55232.html ) e 25 de março (
> https://www.mail-archive.com/obm-l@mat.puc-rio.br/msg55196.html), a
> respeito do ensino de matemática e decidi participar.
>
> Dessa forma, tenho as seguintes perguntas pra ele:
>
>
> 4) Qual a aplicabilidade na vida real de problemas de olimpíadas de
> matemática?
>
>
Aplicabilidade direta, especialmente a situações do dia-a-dia, realmente
acho que não há. Mas, por favor, leia o que segue...

Me parece que, de uns tempos pra cá, a matemática ensinada nas escolas
ficou muito utilitarista. Por exemplo, todas as questões do Enem - hoje em
dia, o mais importante exame de admissão ao ensino superior e que,
portanto, dita o currículo do Ensino Médio - são contextualizadas, ou seja,
contém alguma aplicação ao "mundo real". Questões teóricas foram banidas do
exame.
Isso parece traduzir uma filosofia de ensino segundo a qual a matemática só
serve para ser aplicada, de preferência na solução de problemas encontrados
pelos cidadão comuns.

Convenhamos, as aplicações da matemática no dia-a-dia se resumem a alguns
problemas simples de finanças pessoais, pesos e medidas e interpretação de
tabelas, gráficos e mapas.
Se é só isso, então não vejo porque alguém deveria estudar matemática além
do 7o ou 8o ano da escola.

Só que, se você pensar um pouco, NÃO É SÓ ISSO.
Afinal, praticamente todos os empregos de alto nível exigem, se não
habilidades quantitativas avançadas, pelo menos uma boa dose de
criatividade e a habilidade de raciocinar logicamente e abstratamente
(pense no trabalho do presidente de uma empresa, por exemplo).
Na minha opinião (e certamente há quem discorde) a matemática é a matéria
da escola onde estas habilidades podem ser melhor desenvolvidas. (É isso
mesmo! Criatividade. Em matemática...) Desde que o currículo favoreça este
desenvolvimento, é claro.

-- 
Esta mensagem foi verificada pelo sistema de antiv�rus e
 acredita-se estar livre de perigo.

Responder a