---------------------------------------------------------------------
by UOL - Mundo Digital

Internet
Novo vírus se dissemina rapidamente pela rede
Matt Richtel

San Francisco - Um vírus de computador que se dissemina rapidamente forçou
diversas corporações importantes a fecharem seus servidores de e-mail na
sexta-feira à noite, quando ele saiu fazendo estragos globais na Internet,
segundo o relato de várias empresas de segurança da rede no sábado.

As empresas de segurança afirmaram que os primeiros avisos sobre o vírus,
que é transmitido por e-mail, sugeriam que dezenas de milhares de
computadores em residências e ambientes de trabalho haviam sido contaminados
na sexta-feira. O vírus se reproduz exponencialmente, disseram eles,
tentando usar cada mensagem contaminada para enviar mais 50 mensagens
infectadas.

"Este é o vírus que se espalha mais rápido que já vimos", disse Srivats
Sampath, gerente geral da divisão de Software do McAfee da Network
Associates, empresa de Santa Clara que produz softwares antivírus.

Especialistas em segurança da rede dizem que aparentemente o vírus não causa
danos aos equipamentos que contamina e que as pessoas podem inutilizá-lo
facilmente. Mas eles afirmaram que pretendem deter sua reprodução, cuja alta
velocidade incapacita redes e servidores de e-mail, os endereços eletrônicos
que dirigem o tráfego de mensagens.

Os e-mails contaminados com o vírus, que seus criadores chamam de Melissa,
apresentam a frase inicial "Important Message From" (mensagem importante
de). A seguir, vem o nome do remetente, que muitas vezes é o nome de um
amigo, colega de trabalho ou conhecido do destinatário.

A mensagem que vem no e-mail é curta e inócua: "Here is that document you
asked for ... don’t show anyone else ;-)" (Aqui está o documento que você
soliticitou... não mostre a ninguém). Em anexo, aparece um documento do
Microsoft Word com 40 mil bytes ou 40K denominado list.doc.

Quando o destinatário abre list.doc, o vírus Melissa automaticamente procura
uma agenda de endereços de e-mails. Ele então envia uma cópia de si mesmo -a
mensagem e o arquivo anexado- para os primeiros 50 nomes que acha na agenda
de endereços do destinatário, o que explica sua rápida disseminação pela
Internet.

O vírus é conhecido por se propagar rapidamente com dois programas de e-mail
bastante populares, o Outlook da Microsoft e uma versão reduzida do mesmo
programa, o Outlook Express da Microsoft, que integra o sistema operacional
do Windows 98 e muitas vezes é instalado com o Windows 95. Administradores
de segurança da rede disseram não ter evidências de que o Melissa consegue
abrir e usar a lista de endereços de outros programas de e-mail, mas não
descartaram essa possibilidade.

Vários fabricantes de softwares antivírus anunciaram em seus sites na
Internet que seus clientes podem baixar um programa para detectar a mensagem
contaminada com o vírus e recusá-la.

Um aviso para o público em geral estava disponível no
http://www.sendmail.com, o site do Sendmail, empresa de Emeryville cujo
software de correio eletrônico é muito usado para enviar mensagens pela
Internet.

Eric Allman, co-fundador do Sendmail, disse que temia que o problema se
agravasse na manhã de segunda-feira, quando os funcionários acharem essas
mensagens em seus e-mails. "Ele vai entrar em muitos endereços eletrônicos e
ficar à espera de ser ativado", disse ele. "Quando as pessoas chegarem ao
trabalho às 8h e lerem essas mensagens, haverá um crescimento explosivo do
vírus."

Allman descreveu o poder de estrago do vírus como "não o pior que já vi, mas
é bastante nocivo". Ele acrescentou ainda que aparentemente esse era o vírus
com reprodução mais rápida que já vira.

As pessoas podem evitar a contaminação e a propagação do vírus simplesmente
não abrindo o attachment que vem no e-mail. Só abrir a mensagem não faz com
que o vírus copie a lista de endereços e se auto-envie. Os usuários também
podem inutilizar o vírus suspendendo o tipo de programa que o
contém -"macros", que são pequenos aplicativos usados para automatizar
tarefas em documentos do Microsoft Word. Desfazer macros no Microsoft Word
inutiliza o vírus.

Membros da Microsoft disseram que não tinham certeza sobre a magnitude do
vírus e enfatizaram que ele podia ser facilmente desarmado. Adam Sohn,
porta-voz da companhia, declarou: "Se as pessoas tiverem cuidado com o que
entra em seus computadores, nunca haverá problema."

Na sexta-feira, o vírus se abateu sobre funcionários do GCI Group, empresa
de relações públicas com escritórios em todas as regiões dos Estados Unidos.

Uma funcionária, que se corresponde por e-mail com diversos outros
funcionários da empresa, recebeu mais de 500 mensagens durante o dia. "Isso
acabou com o meu dia", disse a funcionária, Leigh Anne Varney. "É melhor não
publicar as palavras que usei. Nunca vi algo assim antes."

Esse não é o primeiro vírus que ataca e se dissemina automaticamente via
e-mail, mas é o primeiro que se comporta de forma "tão selvagem", comentou
Dan Schrader, diretor de marketing de produtos da Trend Micro, fabricante de
softwares anti-vírus sediado em Cupertino.

A disseminação rápida do programa lembra um programa de 1988, conhecido como
uma praga, criado por Robert Tappan Morris, recém-formado em Ciência da
Computação na Universidade Cornell. O programa de Morris se espalhou pela
Internet com grande velocidade conseguindo danificar mais de 6 mil
computadores.

No entanto, a Internet era pequena em 1988, em comparação com o tamanho
atual da rede. Em conseqüência, o potencial de disseminação do programa
realmente é grande.

"Fazia tempo que não víamos algo na Internet que afetasse tantas pessoas",
disse Schrader. Segundo ele, três clientes da empresa haviam fechado
temporariamente seus servidores de e-mail para deletar a mensagem
contaminada.

Quem criou o vírus também deixou a mensagem "W97M - Melissa". A observação
diz que o vírus foi criado por "Kwyjibo", que funcionários da Trend Micro
acham que pode ser uma referência ao seriado de TV "Os Simpsons". Num
episódio dos Simpsons intitulado "Bart the Genius", Bart Simpson ganha um
jogo usando a "palavra" Kwyjibo.

Segundo a teoria, o vírus tem um segundo impacto. Quando contamina um
computador, o vírus digita uma mensagem na tela quando a hora corresponde à
data do dia (em 26 de março seria 3:26). A mensagem diz: "Twenty-two points,
plus triple-word-score, plus 50 points for using all my letters. Game’s
over. I’m outta here".

Tradução: Thaïs Costa


____________________
Renato Lima
[EMAIL PROTECTED]


---------------------------------------------------------------------
Redirecionamento de domínio? Visite http://www.dominiosbrasil.net e conheça a mais 
recente novidade da Internet Brasileira.
---------------------------------------------------------------------

Responder a