E você sabe qual a razão funcional para a sobrevivência desta espécie de
fósseis vivos nos tempos modernos e civilizados?
É para que os machos da espécie homo sapiens, que tanto progrediram no
domínio de seu ambiente ecológico, ainda possam demonstrar seus dotes de
bons caçadores diante do terror das fêmeas frente ao apareciemento de um
destes monstros!

Um Grande abraço a todos
Paz, Amor e Empatia
Igor Ciro
_________________________________________
                                                             "Do what thou wilt"

Estudos em andamento no Instituto Nacional de Pesquisas Biológicas apontam:
há mais de 200 baratas por habitante em São Paulo, o que firma a cidade como
uma das cinco mais embaratadas do mundo - ao lado de Cidade do México,
Tóquio, Miami e Johannesburgo. Trocando em miúdos, isso quer dizer que pelo
menos 3 bilhões desses insetos respiram o mesmo ar que você, paulistano.
"Não existe restaurante em São Paulo que jamais tenha sido visitado por
baratas", entrega o biólogo Paulo Val Rocha Júnior. As regiões mais
infestadas são centro e zona norte, mas quase ninguém escapa: segundo o
instituto, 70% de todas as residências da capital mantêm sua coloniazinha de
baratas. Paradoxalmente, a tentativa de eliminá-las acabou gerando SUPER
BARATAS, sobreviventes de antigas dedetizações que ficaram imunes a alguns
venenos. Afora isso, há uma taxa de natalidade desenfreada. Uma barata dura
em média dois anos, e cada fêmea é capaz de fazer 800 filhotes, que se
alimentam das fezes da mãe.

A barata é o inseto mais antigo do mundo. Seus fósseis datam de 350 milhões
de anos, 348 milhões antes do homo virar sapiens. Desde então, a espécie
passou pelas mais diversas provações, adaptou-se a tudo, e hoje é das
estruturas mais bem preparadas para enfrentar o mundo cão. Seus poderes
naturais vão desde sobreviver 40 dias sem comida, sete dias sem água e 40
minutos sem respirar, até ressuscitar depois de ter sido congelada viva - a
5o C, seu metabolismo cai a zero e as funções vitais praticamente param.
Descongelada, a espécie Periplaneta americana, por exemplo, sai andando ou
nadando. Aliás, são ótimas nadadoras: bóiam e se movimentam com as patas.
Numa enchente, quando o esgoto transborda, simplesmente mudam de endereço -
e, assim, inauguram novas colônias que ajudam a disseminar a praga.

A performance
A performance atlética de uma barata deixa qualquer triatleta no chinelo.
Elas são capazes de...
* correr a 150 km/h
* fazer 25 desvios por segundo
* ressuscitar depois de terem sido congeladas vivas

... E ESTÃO PREPARADAS PARA RESISTIR A ...
* explosões atômicas
* 40 dias sem comida
* 7 dias sem água
* 40 minutos sem respirar

Medir forças com baratas é tarefa ingrata: além de atletas, são
superdotadas de sentidos, de forma que possuem uma carapaça de células
sensíveis à luz e antenas que servem de tato, olfato e detector de veneno.
Um monstro tecnológico. Para dar tanto olé em nossa ingênua e frágil
espécie, além da experiência maturada por milhões de anos, elas cultivam a
virtude de driblar a ansiedade: consomem 75% de seu tempo descansando, nos
observando, energizando-se para atravessar os perigos da noite e os desafios
da luta pela sobrevivência. Sua competência é tamanha que a perpetuação da
espécie por outros milhões de anos está mais do que assegurada. "É
impossível exterminá-las do planeta", diz o engenheiro agrônomo Luis Macul.
"Qualquer medida que tomarmos é apenas para controle, é o máximo que
conseguimos fazer." A lenda da resistência à bomba nuclear, por exemplo, "é
totalmente verídica". São elas, com certeza, que vão apagar a luz quando
destruirmos o planeta.

www.revistatrip.com.br
* Leia a matéria completa na TRIP #69

Responder a