Leia em voz alta.
BASTA! IZO DEM GUE AGABAR!

Os vanhos zao disgribidados há zégulos por doda bobulazao. Dós dambém
zomos vilhos de Zeus, Zeus, borcaria!
Oudro dia besmo dive gue gombrar um bênis e ...BENIS, ! Zaí da loja gom
drês baralhos.
Bênis é o baralho!
Debois dive gue dar um inderurbanho bra binha daborada gue bora em
Dragunhanhém. A bunrra da delevonista ligou pra Dragunhanhém. Dive gue
valar aos berros:

- Dao é Dragunhanhém! É Dragunhanhém!
Gonzegui vinalmente a ligazao:
- Alô! Fânia? Adivinha guem esdá valando?
Os vanhos dem gue der bais boz adiva. Demos guê der baiz liverdade de
exbrezao. Demos gue conseguir nozo lugar ao zol. Dar bazao aos nozos
zonhos. Bazao! Num zabe o gue é bazao, bôrra! Vozês zao zurdos?

Borizo gonglamamos, jamamos dodos agueles gue dem uma ligeira diviguldade
de ze vazer entender, bara endrarem neza luda. Bamos vundar a Azoziazao
dos
Amigos do Vanho, a AMADIL (DIL, BARALHO! Aquela gobrinha gue viga em zima
do A! A!, BORRA!)

Bor hoje jega, vigo bor aguí!

Badrízio Boreira (Boreira bôrra, gom êbe!)
VONOAUDIOLOGO

Responder a