Concordo com você Eric, não devemos impor o Software Livre, mas podemos
conscientizar (ou pelo menos tentar) as pessoas. Muitas pessoas não sabem
sequer q existem licensas de Software e que essa é a diferença entre o
windows de R$ 500,00 e o de R$ 15,00. Precisamos mostrar às pessoas que elas
tem uma opção de usar o computador com Software de qualidade superior ao que
elas conhecem. Com softwares para os mesmos fins. E ate mesmo com interface
igual. E ainda é mais barato. Apesar preço e liberdade não serem as mesmas
coisas, a questão do custo é o ponto forte do Software Livre, porque é com
isso que a maioria dos usuários domésticos se preocupam. Aliás, a maioria
dos usuários. Eu conheço poucos casos em que migraram para um serviço
diferente pagando mais.

Não é impor o software livre, mas mostrar que ele é bonito, seguro,
confiável, simples e barato.

Alexandre

2007/2/1, Eric Jardim <[EMAIL PROTECTED]>:

Em 31/01/07, Alexandre Moura <[EMAIL PROTECTED]> escreveu:
>
> Como alguns já disseram o "momento é agora". O Brasil é o 4º país do
> mundo em pirataria [1] e uma campanha a favor do software livre ganha força
> nesse momento, como forma de combater a pirataria, por um motivo simples.
> Liberdade!
>

Tem duas coisas importantes que devemos fazer agora: (1) Defender a
liberdade de escolha, no contexto digital e (2) Combater fortemente a
pirataria.

(1) Hoje em dia algumas lojas vendem máquinas com software compulsórios
(especialmente notebooks) de forma que, mesmo não utilizando, você é
obrigado a patrocinar o fabricante do sofware.  Além disso, alguns
produtores de aplicações, hardware não mantém compatibilidade com sistemas
alternativos (leia, menos usados).
Devemos boicotar tais distribuidores e os padrões (software/hardware) que
não permitem a liberdade de escolha.

(2) Por outro lado, devemos combater fortemente a pirataria. O modelo de
"sucesso" da Microsoft só funciona porque permite a cópia (não difere muito
so SL) => criando massa crítica suficiente para pressionar grandes
compradores comerciais a adquirir o que já está difundido, mesmo que
ilegalmente, no mercado doméstico e pequenas empresas.

(1) + (2) = Eu acho que impor SL vai de encontro com a liberdade de
escolha. O SL deve ser uma opção assim como software proprietário. Não
adianta impor, pois teríamos outros tipos de problemas. Imposição não
combina com a forma de criação do SL, que é fluida e pode se ramificar.
Impor qualquer tipo de SL poderia ser um desastre. O que se deve impor são
padrões abertos, de forma que qualquer software ou hardware possam se
comunicar.

Se (1) e (2) funcionam, quem não concorda com o modelo proprietário vai
naturalmente procurar alternativas. E pode ter certeza de que a grande
maioria dos usuários de SP são pessoas que não estão disposta a pagar o
preço do SP. Quando alguém pensa em utilzar um software, prefere optar pelo
que a maioria das pessoas usar, desde que possa arcar com isso. R$15 é um
preço acessível para quem temum computador. R$900 já filtra muita gente,
pode ter certeza.

Lembre dessa frase: "Não tenho medo de 99% do mundo use Software
Proprietário, tenho medo de que %1 não tenha o direito de usar"

Sds,

--
Eric Jardim

_______________________________________________
PSL-BA mailing list
PSL-BA@mail.dcc.ufba.br
https://mail.dcc.ufba.br/cgi-bin/mailman/listinfo/psl-ba




--
O nosso sacrifício é consciente.
É a quota a pagar pela liberdade
                      Ernesto Guevara de la Serna

Linux Counter User #349572 [http://counter.li.org]
_______________________________________________
PSL-BA mailing list
PSL-BA@mail.dcc.ufba.br
https://mail.dcc.ufba.br/cgi-bin/mailman/listinfo/psl-ba

Responder a