Bom nisto, sinto dizer Pablo, mas eu estive em contato com o Correio a uns 2 anos atrás  exatamente para comprar a licença para uso em desenvolvimento de software e a empresa que eu representava na época seria a primeira no Paraná a comprar esta base.

Em princípio fiquei muito feliz com isso, mas depois de alguns meses negociando com os Correios no Paraná e ligando com frequência para Brasília para ver detalhes das liceças percebi porque ninguém tinha comprado ainda no Paraná.

As licenças não são nem um pouco livre e totalmente abusivas, eles estavam para preparar uma versão "light" dessas licenças para pequenas empresas, mas ainda assim eu as considero extremamente abusivas.

Exemplos:

* Licenças com valores diferentes para cada uso:
     * Para impressão de etiquetas apenas um valor pequeno baseado na estimativa de etiquetas a serem impressas;
     * Para telemarking um valor um pouco maior baseado na estimativa de acessos à base (que vai rodar no seu servidor e não no deles)
    * Para desenvolvimento de software era a licença "full" extremamente cara e baseada na quantidade de acessos e cada cliente precisa pagar uma sub-licença de 2 a 5 mil reais dependendo do número de acessos

* Nenhuma das licenças pode ser usada para outro fim, ou melhor, se você comprou para mala direta (etiquetas) nunca poderá usar num website ou para desenvolvimento de sistemas;

* Nenhuma das licenças permite redistribuição

* Todas as licenças são baseadas no número de acessos à base de dados deles que ficará no seu servidor (essa parte eu achei uma grande estupidez - desculpem-me a expressão mas não achei termo melho -, pois eles exigiam que você criasse mecanismos no seu sistema para que eles pudessem controlar o número de acesso ao banco deles no seu servidor)

Enfim, um completo disparate, mesmo empresas privadas são espertas o suficiente para não fazer esse tipo de licença.


On 8/11/06, Pablo Sánchez <[EMAIL PROTECTED]> wrote:
Eu não faço esta confusão, Olival. O que eu acho é que a base do CEP,
de utilidade pública, compilada por uma estatal, deve ser LIVRE e
GRATIS (*).

Concordo com o Olival: Livre? Grátis, eu entendi, mas livre? quer dizer, cada um vai, modifica seu CEP, repassa ele para os amigos e nunca mais recebe correspondência? Se for apenas livre de acesso à informação, você pode ir a qualquer agência e consultar a versão impressa lá. Ela não é para vc levar para casa, pois é patrimônio governamental. Essa versão impressa da agência, fica lá, como serviço de utilidade pública.

Uma outra asneira (desculpa, não arrumei palavra melhor para definir o que achei do que vc falou) é dizer que não pode pesquisar por CEP e encontrar o endereço. Cara, vc realmente não sabe usar o site dos correios, porque isso está lá. Quer o caminho?

http://www.correios.com.br/servicos/cep/cep_cep.cfm

Leia a página... veja os links que existem... paciência é uma virtude para encontrar o que se busca. Mas para ouvir asneiras, não tenho a paciência. Sei que vou ouvir encheção de saco com este e-mail, mas whatever!

No caso da base do CEP, até onde eu percebi até agora ela não é nem
uma coisa nem outra.

O cabecinha, o cabecinha... vc quer grátis, vc não quer livre. Porque se soubesse o que é liberdade, veria que o acesso  à informação é livre. Entre numa agência e veja a informação. Entre no site, e veja a informação. Pagou por isso? Não. Isso me cheira mais a queixa de quem quer distribuir uma aplicação  com recurso de busca de endereço por CEP, mas não quer gastar dinheiro.

Se você comprar o CD do Guia Postal (que por sinal só funciona no
Windows), vai descobrir que a base está protegida por senha de modo
que só o aplicativo que vem no CD pode abri-la. Sim, seria trivial
crackear o arquivo MDB, mas esse não é o ponto.

Se sua queixa é sobre ser windows, que bom, finalmente um ponto certo aqui. Existe alguma restrição sobre você copiar e passar para os amigos o CD? Se não, a única falta de liberdade que teria aqui é sobre o acesso aos fontes.

Se você pagar uma das licenças exorbitantes para os Correios, receberá
os dados por um tempo limitado (pode ver que eles falam de assinatura,
atualizações etc.), e certamente terá que concordar com um contrato de
licença que não permite a redistribuição.

Ou estou enganado?

Pode até estar, porque o que vc colocou é apenas suposição, dado que vc não fechou o contrato, e não leu tudo. Veja que na hora que você usou "certamente", é porque para mim vc não leu, se não afirmaria com certeza a veracidade. Não duvido que seja, mas supor e colocar na lista apenas queima. Então, vamos ver o que há no site dos correios...

http://shopping.correios.com.br/wbm/store/script/wbm2400901p01.aspx?cd_company=ErZW8Dm9i54=&cd_product=K5XuNm0i7WI=

Não fala nada sobre a licença, infelizmente. Continuando minha pesquisa na tentativa de ver qual a licença, encontrei uma coisa que é o que realmente seria interessante discutir:

http://www.correios.com.br/parcerias/cep/office2003/default.cfm

Onde está a igualdade de tratamento aqui? Podemos fazer isso com o OpenOffice também? E aquele banner Microsoft Marketplace? Só lembrando que há anos atrás (5-6) Correios teve todos seus sistemas implantados e desenvolvidos pela TBA (lembram dela?)

Enfim, não encontrei informações sobre o licenciamento. Mas dado o fato de que você já tentou craquear o banco de dados que vem no CD, suponho que tenha acesso a ele. O que fala lá sobre a licença?

_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista:
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil


_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: 
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a