Claro que é um saco ter de refazer um trabalho já feito, mas perda de
formatação não é nada, apenas um pequeno detalhe sem importância em meio
aos benefícios da adoção do BROffice. É um "mal" perfeitamente contornável
que resolve-se ao longo do tempo e com o uso continuado do BRO. 

É muito mais importante ater-se à questões como treinamento e suporte
adequado aos usuários.

Tive alguns problemas com meu público, e ainda terei, pois ainda estamos
migrando, mas vencidas as resistências iniciais, as coisas parecem
caminhar bem, apesar da administração não haver demonstrado, em momento
algum, qualquer preocupação com o treinamento dos usuários. Infelizmente o
processo foi tocado sem planejamento algum.

Para convencer os mais resistentes, adotei o que chamo de "tática do
estupro inevitável". Quando indagado das razões da adoção do BRO e da
possibilidade de continuarmos a utilizar o MSOffice, dava as seguintes
explicações: primeiro falava da qualidade, compatibilida e custo do BRO,
depois lembrava-lhes do licenciamento do MSOffice que NÃO tínhamos, de seu
custo e das implicações legais na continuidade de seu uso e do agravante
que seria um órgão público federal que faz, entre outras coisas,
consultoria jurídica para o governo e diversos órgãos públicos, utilizar
software pirata; e por fim, dizia-lhes para esquecerem o MSOffice, ao
menos  durante a atual gestão, que essa era uma decisão tomada que não
tornariam atrás... Enfim, relaxe e aproveite o momento, porque essa é a
ferramenta que tens disponível para fazer teu trabalho e garanto que é de
excelente qualidade.

Mas o argumento que mais calava-lhes a boca era, sem dúvidas, a questão
legal, engoliam em seco pois fica muito feio para um advogado pregar
abertamente o uso de software pirata no serviço público.



--- Alexandre Oliva <[EMAIL PROTECTED]> escreveu:

> On Oct  9, 2006, Cristiano Gutierrez <[EMAIL PROTECTED]>
> wrote:
> 
> > - formatação perdida de documentos criados no MS Office.
> > - formatação perdida de documentos criados pelo Br-Office e salvos em
> > formato proprietário (.doc)
> 
> Isso só demonstra a urgência de se libertar do formato proprietário.
> A perda de formatação é justamente a barreira que força os usuários a
> permanecerem pagando o "imposto" ao monopólio.
> 
> Quanto antes o formato livre se tornar o padrão, mais cedo a
> informação estará garantidamente disponível.
> 
> > alguem já tem algum tipo de experiência por aqui ?
> 
> Júlio Neves tem ótimas histórias sobre migração para OOo na Dataprev,
> ainda que tenha ocorrido ainda na era do OOo 1.0, inclusive sobre como
> usar as incompatibilidades em favor e não contra a migração.  Receitas
> de guerrilha como ter funcionários respeitados e favoráveis ao
> Software Livre enviarem arquivos criados no OOo sempre nos dois
> formatos, de modo que quem preferir usar o proprietário vai sentir o
> peso da incompatibilidade, mas quem usar o livre vai ver "tudo
> bonitinho."
> 
> Hoje as incompatibilidades são bem menores, mas se houver voluntários
> dispostos a fazer esse trabalho de guerrilha usando um OOo antigão,
> pra realçar a incompatibilidade, pode ser no mínimo divertido.
> 
> Pena que OOo antigão não funcione com o padrão ODF :-(
> 


Carlos B. Schwab

        Porto Alegre, RS

Email: [EMAIL PROTECTED]
Linux user #178140, since oct 1996.
"Que capacidade impiedosa essa minha de fingir ser normal o tempo todo!!" 
- Raul Seixas
"Quem come de tudo está sempre mastigando" 
- XSandro


        



        
                
_______________________________________________________ 
Você quer respostas para suas perguntas? Ou você sabe muito e quer compartilhar 
seu conhecimento? Experimente o Yahoo! Respostas !
http://br.answers.yahoo.com/
_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: 
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a