Walter Cruz wrote:
Sem querer ser pedante, mas acho justamente o contrário: uma linguagem de mais alto nível ajudaria mais do que atrapalharia, justamente por esconder o que está próximo da linguagem da máquina :)


até pq acho a proposta de ensinar qlqr um a pensar como computador ruim...

O propósito não é ensinar OOP. O propósito é ensinar à vítima como um computador funciona. Objetos, estruturas complicadas de dados, lógica mais elaborada, tudo isso fica fora desse escopo.

Se você olhar o processador de perto, todos os computadores parecem ruins. Mas não são - são apenas esses os tijolos básicos dos nossos programas (um punhado de registradores, umas pilhas, umas ALUs, endereços de memória, uns bits especiais aqui e ali...). Entre um programa usando GTK e o pixel da tela tem pelo menos duas pós-graduações em Ciência da Computação, Nem todo mundo quer sofrer tudo isso.

(Tudo bem. Eu NÃO vou contar que minha primeira linguagem também foi basic )

A rigor, minha primeira linguagem de programação foi a das calculadoras Texas, TI-55 e depois TI-58.

Basic foi um enorme progresso.

Ao menos eu nunca usei cartões perfurados.
_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a