--- Begin Message ---
Novidades da FSFLA
Boletim #19
Fevereiro de 2007
http://www.fsfla.org/?q=pt/node/138

1. Editorial: A quinta liberdade
2. Rascunho de Constituição da FSFLA
3. Outras traduções
4. Sítio na Internet
5. Portuñol nas listas de e-mail
6. Observadores do conselho
7. Rascunho 3 da GPLv3
8. Novidades e eventos
9. Procura-se ajuda


1. Editorial: A quinta liberdade
================================

À medida em que os ideais do Software Livre vão ganhando ampla
aceitação, pessoas que resistem a eles tendem a racionalizar o
comprometimento de suas próprias liberdades com base na liberdade de
escolha, que freqüentemente se faz passar como a quinta liberdade.
Quando esta liberdade é usada para justificar a aceitação de drivers
[ULP], firmware [FPG], codecs multimídia [FPC] e aplicações baseadas
na web [FSW] proprietários, ela poderia também ser descrita como a
liberdade de se escravizar a si mesmo, mas isto não lhe faria justiça.
Este é um problema muito maior.

O movimento do Software Livre foi criado com o objetivo de
possibilitar aos usuários viver suas vidas digitais em liberdade.  Com
esta finalidade, quatro liberdades relacionadas a software foram
estabelecidas [FSD]:

0: a liberdade de executar o software para qualquer propósito;

1: a liberdade de estudar o software e adaptá-lo a suas necessidades;

2: a liberdade de distribuir o software do jeito que você o recebeu;

3: a liberdade de modificar o software e compartilhar suas
modificações.

Enquanto todo o software que você executa respeita suas quatro
liberdades e executa em computadores que você pode controlar, você
vive em liberdade digital.

No entanto, toda vez que você decidir sacrificar qualquer uma destas
liberdades, você está prejudicando provavelmente não somente a você
próprio, mas a sua comunidade inteira.

Considere as conseqüências de comprar hardware de um fabricante que
não fornece drivers Livres para sistemas operacionais Livres, ou nem
mesmo compartilha especificações para que outros desenvolvam drivers
Livres.  Quando você dá dinheiro e participação no mercado a este
fabricante, você fortalece a posição dele.  Mas você também divide a
sua comunidade, pois alguns de nós continuarão firmes e rejeitarão
hardware deste tipo, enquanto você cede.

Firmware proprietário apresenta um problema muito similar.  Não há
nada na definição de Software Livre que limite seu escopo a software
que execute nos processadores principais de um computador.
Infelizmente, mais e mais componentes de hardware requerem que tais
softwares não-Livres sejam carregados neles cada vez que o computador
é ligado.  Quando você compra tais componentes, você tira o poder de
barganha de sua comunidade, e o entrega para o fabricante.

Quando um distribuidor de sistema operacional faz com que seu sistema
funcione sem problemas com componentes que requerem drivers ou
firmware não-Livres, muitos usuários nem mesmo se dão conta de que
estão sendo privados de suas liberdades antes que seja tarde demais.
Quando eles percebem que a combinação de hardware e sistema
operacional "simplesmente funciona", e recomendam-na para seus amigos,
os distribuidores de hardware e de sistema operacional que não
respeitam as liberdades de seus usuários ganham mais poder.  Enquanto
isso, os distribuidores de sistema operacional que continuam
comprometidos com o Software Livre seguidamente levam a culpa por seus
sistemas similares não funcionarem por padrão, com tal hardware
privado de liberdade.

Codecs são ainda mais perversos pois se fiam não apenas em direito
autoral e segredos, mas também na lei de patentes, para restringir o
que os usuários podem fazer, e eles são muitas vezes usados para
implementar DRM (Gestão Digital de Restrições).  A parte boa é que
patentes de software não são permitidas na maioria dos países, o que
possibilita a engenharia reversa e implementações em Software Livre da
maioria destes formatos.  Estas implementações livres têm sido
proibidas nos Estados Unidos, na União Européia e em alguns outros
países, e isto as mantêm fora da maioria das principais distribuições
de Software Livre.  Aceitar formatos DRMizados e codecs não-Livres com
o objetivo de desfrutar de obras artísticas e técnicas fortalece os
proponentes de tais formatos, mesmo quando você usa somente Software
Livre para isso.  Mesmo que você não pague uma taxa para desfrutar das
obras, o ato de codificar geralmente envolve o pagamento de taxas de
licenciamento de direito autoral ou de patentes de software.

Aplicações web são diferentes no ponto em que tiram a liberdade do
usuário sem recorrer a nenhum ato não ético ou imoral por parte do
"provedor" do software, mesmo quando as aplicações são Software Livre.
Fazer alterações privadas é uma das liberdades centrais pelas quais
lutamos, e é razoável discutir se possibilitar a terceiros executar
software através de um servidor web retira tal software da condição de
privado.  Certamente, os usuários não devem esperar ter permissão para
modificar a cópia do software que é executada no servidor.

É desejável, no entanto, que os usuários tenham permissão para
descarregar seus próprios dados do servidor, e obter uma cópia de todo
o programa, para assim manterem controle de suas vidas digitais,
desfrutando das liberdades para modificar o software localmente, e
para executá-lo para qualquer propósito.  Quando você usa aplicações
web que tiram sua liberdade digital de você, prendendo-o por meio de
seus dados ou por funcionalidades do software, você oferece uma
resposta positiva para tal comportamento e fortalece o provedor, aos
custos de seus próprios dados e liberdade.  Nós incitamos os usuários
a resistir à tentação de usar aplicações web para suas próprias
computações pessoais.

Pagar com liberdade por conveniência de curto prazo é, na maioria das
vezes, um mau negócio a longo prazo.  Claro que nós podemos e devemos
oferecer conveniência aos usuários [UTU,GNS], mas apenas quando isto
não prejudica nosso objetivo final de liberdade.

Sempre que alguém traça um plano que envolve sacrificar um pouco de
liberdade agora para ganhar mais liberdade no futuro, é melhor que
tenha certeza de que o objetivo é alcançável.  Por exemplo, foi
necessário usar software não-Livre para iniciar a criação do Sistema
Operacional GNU.  O sacrifício levaria claramente a mais liberdade,
uma vez que o software não-Livre foi usado somente para desenvolver o
seu próprio substituto [LMI].

Mas o que dizer do argumento de que nós precisamos de uma massa
crítica de usuários para nos tornarmos relevantes para os fabricantes
de hardware e distribuidores de mídia, de modo que eles respeitem
nossas liberdades, e para tanto nós precisamos sacrificar nossas
liberdades agora para atrair mais usuários para o nosso lado usando
software proprietário como isca [WD2]?

Seguidamente, apoiadores de tais argumentos perdem de vista o objetivo
final, visando popularidade em vez de liberdade.  Embora o argumento
citado acima não perca de vista o objetivo de liberdade, ele falha por
não traçar um caminho claro e seguro da massa crítica para a liberdade
[BFS].

A falha deste argumento é a suposição de que os usuários seduzidos
pela isca da conveniência nos alavancariam para obter mais liberdade.
Por que eles fariam isso?  A conveniência proporcionada por drivers,
firmware e codecs não-Livres iria aumentar nossa comunidade com
pessoas que não compartilham dos nossos valores e objetivos.  Se estas
pessoas não estavam dispostas a trocar conveniência por liberdade
antes, por que ficariam do nosso lado quando nós alcançássemos massa
crítica e exigíssemos nossas liberdades de volta?

Aqueles que não tomam parte em rejeitar hardware, obras DRMizadas e
software não-Livre em favor da liberdade hoje, provavelmente
continuarão assim no futuro, a menos que aprendam a apreciar o valor
da liberdade.  Mas se mais e mais pessoas na comunidade estão
dispostas a sacrificar a liberdade e nem mesmo mencioná-la em favor do
rápido crescimento da comunidade, de que forma os novos usuários
aprenderão sobre liberdade?  Na medida em que as vozes por liberdade
se diluem em uma comunidade maior mas mais fraca, as liberdades podem
na realidade serem corroídas, quando fabricantes que agora as
respeitam, por causa das fortes vozes por liberdade, deixarem de
respeitá-las quando essas mesmas vozes estiverem perdidas no meio do
ruído.

Enquanto é verdade que, ao abrir mão da liberdade, se está dando um
tiro no próprio pé, os estilhaços se espalham e ferem nossa comunidade
como um todo.  Em vez de tentar racionalizar a aceitação de software
não-Livre como uma coisa boa, nós devemos nos manter fazendo tudo o
que pudermos para ensinar mais usuários de Software Livre a apreciá-lo
pela liberdade que ele lhes dá, porque somente então eles se
prontificarão a batalhar pela liberdade conosco.

Não há dúvida de que liberdade de escolha possa ser benéfica, mas não
é inteligente sacrificar outras liberdades em troca de conveniência
imediata, quando você sabe que isto vai fazer com que sua comunidade
acabe sem liberdade de escolha, sem conveniência, e sem as outras
liberdades.  Suas escolhas podem escravizar a você e a sua comunidade
inteira.  Escolha com sabedoria.


[ULP] http://www.ubuntu.com/ubuntu/licensing (em inglês), em
Documentation, Firmware and Drivers

[FPG] http://fedoraproject.org/wiki/Packaging/Guidelines (em inglês),
em Binary Firmware

[FPC] http://arstechnica.com/news.ars/post/20070115-8624.html (em
inglês)

[FSW] http://wiki.freaks-unidos.net/weblogs/azul/free-software-and-the-web
(em inglês)
http://wiki.freaks-unidos.net/weblogs/ikks/software_libre_y_la_web (em
espanhol)

[FSD] http://www.gnu.org/philosophy/free-sw.html (em inglês)
http://www.gnu.org/philosophy/free-sw.pt.html

[UTU] http://www.ututo.org (em espanhol)

[GNS] http://www.gnewsense.org (em inglês)

[LMI] http://www.linux-mag.com/id/255 (em inglês)

[WD2] http://catb.org/~esr/writings/world-domination/world-domination-201.html
(em inglês)

[BSF] http://www.linuxtoday.com/news_story.php3?ltsn=2007-01-12-019-35-OP-SW
(em inglês)


2. Rascunho de Constituição da FSFLA
====================================

Conforme prometido no último boletim, publicamos o rascunho de nossa
constituição em http://www.fsfla.org/?q=pt/node/135, para comentários
públicos.  Por favor envie suas sugestões para [EMAIL PROTECTED] e
ajude-nos a traduzi-lo em
http://wiki.fsfla.org/wiki/index.php/Constitution


3. Outras traduções
===================

Temos uma série de traduções em andamento em
http://wiki.fsfla.org/wiki/index.php/Traductores (página quase toda em
espanhol):

* um artigo sobre a GPLv3
http://wiki.fsfla.org/wiki/index.php/GPLv3SnowWhite

* uma palestra de Richard Stallman em Zagreb, Croácia em 2006
http://wiki.fsfla.org/wiki/index.php/RMSZagreb06

* a palestra principal de Eben Moglen na Conferência Plone 06
http://wiki.fsfla.org/wiki/index.php/EbenMoglenPlone06

* um artigo sobre DRM
http://wiki.fsfla.org/wiki/index.php/DefectisRepletaMachina

* um artigo sobre a preferência da constituição Brasileira por
Software Livre
http://wiki.fsfla.org/wiki/index.php/SL_Brasil_Ley_y_Constitucion

com provavelmente mais por vir.


4. Sítio na Internet
====================

Por falar em Wiki, estamos considerando uma migração do Drupal e do
MidiaWiki para o latino-americano svnwiki.  Alejandro Forero Cuervo, o
líder do desenvolvimento do svnwiki, nos ajudou a configurá-lo para
testes.  Seja bem-vindo para experimentá-lo em
http://www.fsfla.org/svnwiki.

Agradecemos a Alejo, Exal Carrillo e Eder Marques por nos oferecerem
ajuda para manter nosso sítio na Internet.  Se você gostaria de
ajudá-los, ou apenas fazer comentários sobre o svnwiki ou nosso sítio,
envie e-mail para [EMAIL PROTECTED]


5. Portuñol nas listas de e-mail
================================

Você pode ter percebido que nosso software de listas agora oferece
Portuñol como uma das opções de língua e que essa é a língua default
de todas as nossas listas.  Se você olhar com atenção, vai perceber
que é só a tradução a espanhol com outro nome, o que está de acordo
com o fato de que parece ser bem mais simples para quem fala português
entender e fingir escrever em espanhol do que para quem fala espanhol
fazer o mesmo em português.

Quando você participar de nossas listas, por favor faça um esforço
para tornar mais fácil que outros participantes o entendam, evitando
palavras, construções e expressões do espanhol e do português que
possam ser difíceis para falantes não nativos entenderem.


6. Observadores do conselho
===========================

Niibe Yutaka, da Free Software Initiative Japan (Iniciativa Software
Livre do Japão), e G. Nagarjuna, da Free Software Foundation India
(Fundação Software Livre Índia), gentilmente concordaram em se
tornarem observadores de nosso conselho, em resposta a nosso esforço
de fortalecer nosso relacionamento com outras FSFs e organizações
quase-FSF como a FSIJ.  Niibe-san e Nagarjuna se unem neste papel a
Richard Stallman, da FSF original, e Georg Greve, da FSF Europa.

Também é nosso prazer anunciar que Alejandro Forero Cuervo, um
ativíssimo desenvolvedor e promotor latino-americano de Software
Livre, organizador original do FLISOL e co-fundador da Colibrí, uma
comunidade de usuários de Software Livre na Colômbia, também nos
honrou aceitando o papel de observador do conselho.


7. Rascunho 3 da GPLv3
======================

Espera-se que o terceiro rascunho da GPLv3 seja publicado mais ou
menos ao mesmo tempo que este boletim.  Fique atento a
http://gplv3.fsf.org/, leia os rascunhos e submeta seus comentários,
de modo que possam ser levados em conta para a versão final.
Acompanhe nossa página de tradutores para traduções do rascunho
também.  Este será o último rascunho e a versão final não tarda, então
não perca esta última oportunidade de participar da primeira grande
licença de Software Livre a ser desenvolvida com o modelo de
desenvolvimento de Software Livre.


8. Novidades e eventos
======================

Alexandre Oliva falou sobre Software Livre e DRM no Seminário Nacional
de Inclusão digital promovido pela União Nacional dos Estudantes no
Rio de Janeiro em 30 de janeiro de 2007.

Ele foi convidado para a primeira reunião no sentido de formar a
organização Rede de Conhecimento Livre no Brasil.  A reunião está
agendada para acontecer em São Paulo no início de fevereiro de 2007.


Usamos esta oportunidade para pedir desculpas pela omissão, na
tradução ao espanhol de nosso boletim de dezembro de 2006, das
palestras de Richard Stallman na Colômbia e no Equador no início
daquele mês.  Foi um erro de tradução que infelizmente passou
despercebido por mais de um mês.  Alexandre Oliva publicamente pede
desculpas por seu engano.


9. Procura-se ajuda
===================

A FSFLA depende de trabalho voluntário de entusiastas do Software
Livre.  Se você pode e quer ajudar, por favor entre em nossos grupos
de trabalho listados em http://www.fsfla.org/?q=pt/node/79.  Se você
preferir trabalhar em outro grupo que não tenha sido iniciado ainda,
por favor sugira em [EMAIL PROTECTED]


Copyright 2007 FSFLA

Permite-se distribuição, publicação e cópia literal da íntegra deste
documento, sem pagamento de royalties, desde que sejam preservadas a
nota de copyright, a URL oficial do documento e esta nota de
permissão.

Permite-se também distribuição, publicação e cópia literal de seções
individuais deste artigo, sem pagamento de royalties, desde que sejam
preservadas a nota de copyright e a nota de permissão acima, e que a
URL oficial do documento seja preservada ou substituída pela URL
oficial da seção individual.

-- 
Alexandre Oliva

--- End Message ---

-- 
Alexandre Oliva         http://www.lsd.ic.unicamp.br/~oliva/
FSF Latin America Board Member         http://www.fsfla.org/
Red Hat Compiler Engineer   [EMAIL PROTECTED], gcc.gnu.org}
Free Software Evangelist  [EMAIL PROTECTED], gnu.org}
_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: 
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a