Prezados,

Não blefei em dizer que ia sair da lista, como prova o subject logo abaixo,
mas também não resisti em ler as mensagens trocadas via web. Em vista da
reação do Cristiano resolvi capitular, e tentar reforçar que sim, existe uma
carga de responsabilidade séria em "palpitar" em situações concretas, sendo
um dos poucos advogados ativos na lista.

Sim, provavelmente reagi de forma desproporcional, movido por situações
externas que não cabe aqui explanar, mas que foram intensificadas pelas
respostas de alguns participantes que não o Cristiano, que só faltou me
chamarem de "traidor" ou algo do tipo.

O dilema ético é real, e o pagamento de eventuais honorários não minimizaria
isso. Tomo como exemplo a versão livre do software de declaração de IR,
mérito do Oliva e que nos tomou várias horas de conversa na calada da
madrugada visando ponderar os prós e contras de eventual ação judicial (qual
ação? qual o risco?) e seus possíveis efeitos em caso de insucesso. O mesmo
posso dizer da licença LPG-AP, que mais do que ter sido vista como uma
licença pioneira e viabilizadora, foi vista como um instrumento político de
desestruturação, o que não é verdade e só acentua a complexidade das
variações jurídicas que envolvem o assunto software livre.

Com isso não quero dizer que alguns não levam a sério, ou não são suficientemente profissionais ao lidarem com o assunto, mas sim que o assunto guarda uma carga de responsabilidade como qualquer outro de importância estratégica, especialmente aqueles que se posicionam como influentes em questões igualmente estratégicas.

É importante portanto que todos reavaliem constantemente seu papel frente à comunidade do software livre, que prima pela "auto-ajuda".

Um de nossos anseios, e nunca escondi isso, seria tentar viabilizar uma espécie de Software Freedom Law Center no Brasil, que uma vez contando com os patrocínios corretos (quais? como?) poderia tornar real a possibilidade de prestação de serviços jurídicos gratuitos aos projetos sem fins lucrativos, como faz a equipe do Eben Moglen nos EUA.

Sim, ainda existem muito poucos advogados que estudam ou que trabalham com software livre. Existem inclusive alguns que trabalham *contra*, como não é difícil de imaginar. Por isso, volto a dizer, a carga de responsabilidade às vezes é maior ainda, gerando situações de stress detonadas por uma simples pergunta desavisada. Assim, ao ler que "não será fácil encontrar um advogado que domine a questão", como já disse, a responsabilidade apenas se acentua, tanto quanto se fosse dito que "O Omar pode responder essa".

Então respondi, de forma irônica, que a maioria dos advogados está mais preocupada em obter honorários derivados de suas respostas do que participar ("perder tempo") em listas de discussão em nível colaborativo. Infelizmente. E os poucos que o fazem não são melhor reconhecidos por isso, mas ao menos se contentam de não serem chamados de aproveitadores ou paraquedistas. É uma escolha.

Mais do que qualquer coisa, não devemos ser injustos com os "hackers" que dedicam seu tempo para o benefício dos demais.

Abraços a todos,

Omar


----- Original Message ----- From: <[EMAIL PROTECTED]>
To: <[EMAIL PROTECTED]>
Sent: Monday, July 09, 2007 1:20 PM
Subject: Você se desinscreveu da lista de discussão PSL-Brasil


_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a