On 8/2/07, Guilherme H. S. Ostrock <[EMAIL PROTECTED]> wrote:
>
> Não sei se ainda  há interesse, mas como topei hoje com este texto, vou
> continuar a tradução do texto
> Meu Espanhol não é algo que possa se dizer "puxa que maravilha de
> espanhol" ;-) ,
>
> Pequenas empresas no século XXI
>
> "MS se compromete a estabelecer alianças com os membros deste mercado ,
> incluindo el retail(???), para facilitar o acesso e adoção de ferramentas
> de gestão das MIPYMES chilenas (sigla que designa pequenas empresa no Chile,
> creio eu), mediante a incorporação de um pc e software de gestão
> especialmente desenvolvidos para elas.
>
> O ministro da economia se compromete a coordenar com a "Direção de
> contratação Pública (central de licitações chilenas???) para difundir esta
> oferta com o fim de estabelecer as ações concretas para que possa seja
> recebida adequadamente pelas pequenas e médias empresas"
>
> Alguém falou no "meu primeiro pc" e "My Pyme Avanza" (no texto há um link
> explicando que são programas de incentivos para a aquisição de computadores,
> não muito bem sucedidos)? Novamente o governo veste a camisa da MS para
> promover seus produtos, sem licitação ou concurso.
>
> H) Acesso tecnologico para setores com poucos recursos
>
> "MS se compromete a estabelecer alianças com os membros deste mercado ,
> incluindo el retail(???), para facilitar o acesso e adoção de suas
> tecnologias a todos os estudantes e do país que estejam registrados ou
> sujeitos ao benefício do "passe escolar" hoje administrado pela "INJUV".
>
> para isso a MS se compromete a fornecer a enciclopédia multimídia MS Math
> que ajuda a resolver equações, geometria passo a passo e a integração com o
> Office, planilhas e modelos para projetos e trabalhos, apresentações
> diagramas e gráficos esta oferta estará disponível pelos próximos três anos
> e estará disponível pelos próximos três anos e gerará economia para os
> estudantes referidos, por aumentar seu acesso à tecnologia"
>
> Como se as informações do registro não bastassem, também os estudantes que
> tenham obtido o "passe escolar" passarão a integrar a carteira de clientes
> da MS.
>
> Por certo, alguém poderia indicar qual será a economia que os estudantes
> terão sendo que existem alternativas gratuitas como a wikipédia, open office
> e muitas outras, algo tão contraditório quando " economizamos comprando no
> líder" Tradução literal, poderia ajudar Pablo?).
>
> I) Colaboração para a criação de uma internet segura
>
> "MS se compromete a doar ao serviço de investigação do chile, de todo o
> software necessário para implantar a solução desenvolvida pela MS denominada
> Child Exploitation Tracking System(CETS) para colaborar na luta contra a
> pornografia infantil difundida pela internet, ainda compromete-se a "
> contratar/desenvolver" um estudo legal que permita estabelecer o alcance e
> eficácia da atual legislação de cibercrimes.
>
> MS garante sua participação em uma campanha de internet segura, que será
> realizada dentro de determinados estabelecimentos educacionais. Esta
> campanha passará para a comunidade estudantil conselhos práticos na
> navegação pela internet para evitar que os menores corram riscos que possam
> afetar sua saúde física e " sociológica/psicológica"".
>
> Talvez o único ponto "respeitável(???)" do acordo. Sem embaros tenho duas
> preocupações:
>
> 1 ) o CETS será doado "perpetuamente" ou, como é comum nos acordos com da
> MS, passado um tempo se deverá pagar a licença? Se as investigações já
> possuíam uma ferramenta similar, seria interessante saber quem é, ou, a esta
> altura era, seu provedor.
>
> 2 ) Qual será a neutralidade, comercialmente falando, da campnha de
> conselhos de segurança nas escolas? Não se pode negar que será uma ótima
> oportunidade para promover seus produtos.
>
> J) Colaboração com o governo em matéria de segurança informática
>
> "MS se compromete a apoiar economicamente o centro de "Monitoração,
> analise e capacitação de incidentes de segurança" que depende do
> departamento de ciências da computação da unversidade do Chile."
>
> A universidade do Chile e particularmente o DCC nunca tiveram especial
> inclinação pelo uso de ferramentas da MS preferindo o desenvolvimento de
> alternativas livres.
>
> K) centros de inovação e desenvolvimento da MS
>
> "A MS se compromete a desenvolver um estudo em ao menos três setores de
> relevância da economia chilena sobre o impacto das tecnologias da informação
> mas cadeias produtivas para difundir os benefícios na competitividade destes
> setores."
>
> Curioso, muito curioso.
>
> Em sua intervenção Navarro no recorda que no último mês de Abril, o
> programa das nações unidas para o desenvolvimento (PNUD), a sociedade de
> fomento fabril (SOFOFA), a " Corfo" e o próprio Ministério da economia
> juntamente com o governo japonês, firmaram um acordo para melhorar a gestão
> e uso das tecnologias da informação das MiPYMES e governos locais através do
> SL.
>
> Entre outros pontos este último acordo estabelece potenciar setores
> produtivos como 1 - produtos do mar, 2 - produção de frutas 3 - Móveis e
> produtos de madeira.
>
> Somem 1 + 1, melhor dizendo, 3X1.
>
> Não vou ocultar minha preocupação com este incomodo e preocupação com este
> acordo negociado pelas costas dos chilenos.
>
> Para ser franco, quando conversamos com os representantes do ministério da
> economia durante a campanha de MPPCDV, ficamos atônitos tanto com a
> ineficiência governamental em desenvolver suas políticas públicas como com a
> presteza com que correm para adotar as propostas comerciais das grandes
> empresas. Alberto (editor de um blog linkado no texto) certamente se
> recordará de alguns daqueles vergonhosos capítulos.
>
> <citação> Por que o ministro da economia continua ignorando os esforços,
> tanto dos organizadores quanto de outras repartições públicas, para
> encontrar alternativas, insistindo em firmar acordos milionários com a MS
> sem nenhum tipo de licitação?
>
> É licito que o governo entregue à MS os dados do registro civil e "passe
> escolar"? É ético que o governo se transforme no departamento de marketing
> da MS rente aos municípios escolas e pequenas e médias empresas?
>
> Considerou que com estes acordos, o governos, está excluindo o
> desenvolvimento nacional de software, sejam proprietários ou SL, de
> participar como provedores do aparato estatal?
>
> Alegará também a ACTI que neste a neutralidade tecnológica está em risco?
>
> Como reagiriam nos EUA ou na UE frente a um projeto com estas condições e
> alcances?
> </citação>
>
> Desta vez foram longe demais. O governo fez um "outsourcing" de suas
> obrigações para delegá-las aos serviços, e conveniências, de uma empresa
> privada, vendendo, desta forma, a mais valorosa propriedade de um cidadão:
> sua identidade.
>
> A MS pode trocar seu slogan por algo mais apropriado como a "pela razão ou
> pela força".
>
> De qualquer forma, já lhes pertence.
>
>
> Notícia confirmando o acordo:
> http://www.gobiernodechile.cl/agenda/info.asp?fecha=2007-5-9&month=5&year=2007
>
>
> Ministro da economia, Alejandro Ferreiro, firma o acordo de colaboração
> entre a dita secretária do Estado, MS corporation e MS Chile.
>
> Lugar: Sala de Reuniões, Gabinete ministerial. Teatinos 120 piso 10.
>
> Integra do acordo:
> http://eldiabloenlosdetalles.net/acuerdo-marco-de-colaboracion-microsoft-gobierno-de-chile
>
> Acho que não cometi nenhum erro crasso, tanto na tradução, como gramatical
> ou de concordância, mas de qualquer forma, caso haja algum peço desculpas,
> mas não vou revisar tudo isso....




-- 
Att.

Guilherme H. S. Ostrock
_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: 
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a