Olival,

    para trocar as lei e a prática administrativa, o primiero que você 
necessita são bases legais. Os pradrões da ABNT, ISO, IEC e ITU são bases 
legais.

     Eu percebo que:

1) Em Brasil não deve ser legal pedir "licenças de MS Office 2007" nas 
licitaçãos. Em ninguno pais é legal exigir numa licitação uma marca ou 
fabricante contreto. Em Espanha fizimos um projeto para lutar contra issa 
prática ilegal: http://www.neutralidad.es Neste projecto a gente denuncia as 
discriminaçãos que sofre o software livre como legitima opção comercial e 
pessoal, e cada meio ano mais ou menos, faze um informe de umas 100 páginas 
com tudas as irregularidades que é entregado aos meios de imprensa e ao 
defensor do povo e autoridades diversas (Ministerio da Administração Pública, 
etc.)

2) Em Brasil o movemento de software livre deve poder conseguir uma lei que 
impida que os serviços públicos discriminem aos ciudadãos por usar software 
livre na sua computadora. Isso se consegue com padrões (e mais concretamente 
com o subconjunto de padrões que são abertos). Os padrões ate agora, é ABNT 
quem os outorga, logo som importantes e vam a ser mais importantes cada dia.

3) Istos dois pontos anteriores já som um feito em muitos paises do mondo, 
logo os padrões "de iure" (os de ABNT, ISO, ITU e IEC) são muito importantes 
pelo mondo e mais para as administrações publicas dele. Logo, tanto pela 
difusão de nossos padrões (OpenDocument) como pela dos contrarios a nossos 
interesses (OOXML) no mondo, são muito importantes os padrões "de iure" (ao 
menos isso é o que a Microsoft acha e luta por isso). Brasil não está isolada 
do mondo, e a final, o padrão documental que o mondo decida serei o patrão 
que Brasil tendrá que usar também.

4) Eu já fize um marco de interoperabilidade (como o ePING) para uma grande 
administração espanhola. E tem por seguro que o ePING foi feito a partir dos 
padrões definidos pela ISO primeiro, mais também W3C, IETF, OASIS, ECMA, etc. 
Quando você faze um "marco de interoperabilidade", você tem que justificar as 
suas decisões que toma para cada protocolo e formato. O feito que ODF seja um 
padrão ISO faze as coisas muito muito mais fáciles para decir que o ODF sim é 
aceitável, mais o OOXML, o DOC, o RTF e o LaTeX não são. O politico que está 
sobre você e tem que aprovar o vosso trabalho (o marco), normalmente não tem 
ninguma idea sobre tecnologia e sobre padrões, e o único que posse perceber é 
se o padrão que você propuso é o não um padrão "de iure". Alem disso, o ePING 
só e uma recopilação de padrões. O ePING não faze a manutenção deles e a 
aprovação das novas versões deles, e as muitas outras tarefas que fazen as 
organizações de padronização.

Logo, "algumos" patrões da ABNT e a ISO vam a ser muito importantes para 
tudos. E para Brasil também.

Abraço,
    Alberto.



El Miércoles, 15 de Agosto de 2007 04:11, Olival Júnior escribió:
> Alberto Barrionuevo escreveu:
> > ISO e ABNT são muito importantes.
>
> Mas, não são importantes para aquilo que eu citei. O governo brasileiro
> não licita "pacotes de automação de escritório com suporte a formato
> XPTO", ele licita "licenças de MS Office 2007", como ficou bem claro nas
> licitações do Banco Central, Serpro/Receita Federal, etc nos últimos
> meses/anos. Se fosse pra seguir um documento qqr apontando um padrão a
> seguir, em tese o E-PING do Ministério do Planejamento já dava e sobrava
> pra questão, já q determinaria o direcionamento estratégico da questão
> de padronização de formatos no âmbito do Poder Executivo.
>
> NESTE CONTEXTO, a ABNT dar suporte a ODF ou OOXML é totalmente
> *irrelevante*. E, novamente, afirmo q o q vai pegar realmente é o legado
> de documentos .doc, .xls, .ppt e os inúmeros "banquinhos de dados" MS
> Access da vida q permeiam a máquina pública. Quem compra MS Office 2007
> hoje não está interessado nas "vantagens" de documentos .docx (a
> extensão do OOXML no Word 2007), eles querem é ler sem problemas seus
> antigos .doc de versões anteriores.
>
> Vale lembrar q em outros países, onde os Apple Macs vendem de verdade,
> há profissionais q têm de compartilhar documentos entre versões PC e Mac
> do MS Office. Só tem um problema: a Microsoft só lançou um add-on para o
> MS Office for Mac 2004 ler os docs OOXML recentemente e ela ainda está
> em pré-beta (pra não dizer logo alpha mesmo), ou seja, nem dá pra
> confiar em produção. E, ainda por cima, já adiou novamente a nova versão
> do Office for Mac para 2008 (e já disse q ele sequer terá suporte a
> macros VBA).
>
> Sabe qual o conselho da MS pra quem tem de compartilhar documentos entre
> o Office 2007 pra PC e o Office 2004 pra Mac? Grave tudo como .doc no
> 2007. Ou seja, nem ela "empurra" tanto assim o novo formato, pois sabe q
> sua base instalada pra valer é do velho formato. E é nesse velho formato
> q os clientes estão realmente interessados.
>
> ISO e ABNT são importantes? Talvez sejam pra uma série de questões (em
> especial as normas de engenharia, etc). Agora, são realmente relevantes
> na hora da batalha dos formatos? No âmbito de adoção pelo governo
> brasileiro, não. E se este mesmo governo realmente tivesse interesse nos
> formatos abertos, já estaria cobrando em todas as suas instâncias q as
> transações com o cidadão e empresas privadas utilizassem estes formatos.
> Com ou sem recomendações da ABNT.
>
> [ ]s,
>
> olival.junior
> _______________________________________________
> PSL-Brasil mailing list
> PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
> http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
> Regras da lista:
> http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil
_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista:
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a