Considero aquela licença de software público do Paraná um avanço, dentro do contexto do "politicamente possível" na época (considerando riscos). Embora eu a considere _não-livre_ (ou melhor: parcialmente livre), concordo que as críticas à licença por parte de algumas pessoas nesta lista foi exagerada, deixando de reconhecer pontos positivos.

Porém não vejo relação desse caso com o do IRPF, pois do que li entendi que o IRPF não é livre nem semi-livre, é software proprietário que usa indevidamente código oriundo de software livre, além de depender de software proprietário para ser executado, que é o maior problema. Não é um caso em que o governo ou a Receita estejam avançando. Pararam há muito tempo no conceito de 'multiplataforma', e agora impossibilitam alternativas como a declaração em papel. É um retrocesso, não um avanço.


Acho perfeitamente válida e justificável a crítica sobre casos em que há certa intransigência perfeccionista na crítica a atores que desenvolvem, utilizam, ou tentam promover o software livre. Talvez o tópico sobre o IRPF não tenha sido um bom exemplo (é o que acho, mas não houve contra-argumentação para esclarecer o ponto de vista). Espero que Julian possa oportunamente reapresentar sua visão crítica, num formato mais desenvolvido. Pelo que entendi da mensagem encaminhada, de fato é uma reflexão relevante.

Hudson Lacerda

Glauber Machado Rodrigues (Ananda) escreveu:
Repassando o pvt que esclarece os motivos do Julian, com a permissão dele:

2008/5/29 Julian Carlo Fagotti <[EMAIL PROTECTED]>:


Minha crítica, que farei posteriormente na lista sem o caso específico do
IRPF, é que a lista geralmente é pouco não considera algumas coisas no
cenário nacional e internacional.
O Brasil é o país que mais tem ações (bem ou mal sucedidadas) em direção ao
código aberto. O PT, dentro do país é o partido que mais discute software
live, ainda que ainda não seja uma posição partidária. E são alvos de
maiores críticas.
Aqui no Paraná, temos um decreto do governador que estipula que toda a
produção de software do estado é livre (não necessariamente GPL, mas muito
próximo disso), e a gente apanhou muito na lista, porque a nossa licença não
era GPL. HOje o pessoal reconhece a Celepar como grande produtora de
software livre. Mais não foi fácil.
É o complexo de patinho feio de brasileiro que me irrita um tanto. A gente
é  décima maior economia do mundo, não é pouca coisa quando a gente tem
parte do nosso governo abrindo código.

Entendeu? É um pouco mais amplo que o IRPF. Por isso não quero continuar
agora.

Em 29/05/2008 às 13:19 horas, "Glauber Machado Rodrigues (Ananda)" <
[EMAIL PROTECTED]> escreveu:


2008/5/29 Julian Carlo Fagotti <[EMAIL PROTECTED]>:


Estou postando só para você fora da lista, porque não quero transformar
isso num problema. Tenho um ótimo senso de humor com também sei usá-lo
politicamente.  Sou reconhecidamente irônico. Mas, na boa, foi só um
comentário.


Acho que a sua opinião é importante para a thread que você criou, então
acho que você deva compartilhar com os outros o seu atual pensamento sobre o
tópico.

Acho que as pessoas da lista estão querendo entender a sua opinião, você
pode estar certo em algum ponto que não estamos vendo.




------------------------------------------------------------------------

_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista:
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a