On Jun 11, 2008, Marcus de Vasconcelos Diogo da Silva <[EMAIL PROTECTED]> wrote:

> Ainda mais teclando para o Oliva. O cara que sabe tudo :).

Pff...  "Só sei que nada sei", dizia um cara que sabia bem mais que eu
:-) Comecei "sobre ombros de gigantes", mas se parece que cheguei mais
longe, é só porque tentei ir pra frente e acabei caindo lá de cima ;-)

> A briga pode não estar em Non-free e free ela pode estar em Gestão
> de governo ou Gestão social ou no próprio modelo Econômico
> Capitalista.

Gestão de governo?  Bom, legal, governo sem soberania não rola, e
soberania sem liberdade não rola, inclusive no que diz respeito à
tecnologia e ao software.  Então, se concordamos que gestão de governo
exige Software Livre, vamos em frente!

Gestão social?  Legal, Software Livre é um movimento social.  Se
concordamos que para avanço da sociedade é preciso parar de
desrespeitar a liberdade dos cidadãos, que para o desenvolvimento
econômico e tecnológico local é preciso incentivar os produtores
locais e cortar as amarras com os geradores de dependência de outras
regiões, estamos falando de ações perfeitamente compatíveis com e
apoiáveis pelo movimento Software Livre do qual faço parte.  Eu até
iria além, fazendo questão de especificações para os componentes
eletrônicos adotados e, idealmente, desenvolvidos em nossa região,
para que o software pudesse fazer o melhor uso possível desses
componentes, não só no sentido de mantê-los eficientes quando em uso,
mas também no sentido de conseguir reduzir seu consumo de energia
quando fora de uso.  Não estou falando só de ter drivers e firmwares
que juram que fazem o melhor possível, estou falando de ter as
especificações completas pra gente poder melhorar ainda mais o
respeito ao ambiente aqui.  Isso tudo é gestão social, certo?

No modelo econômico, a coisa complica um pouco, pois dificilmente se
sairia proibindo de forma generalizada o comércio de Softwares
não-Livres, e nem é isso que a gente propõe.  Mas se o próprio
governo, um dos maiores consumidores de tecnologia no país, fizesse
questão de que todos os softwares que desenvolve e adquire a partir de
hoje sejam Livres, até pra poder respeitar os princípios
constitucionais da transparência e da soberania, e passe a trabalhar
séria e empenhadamente em descontinuar o uso dos programas que impedem
o cumprimento desses princípios constitucionais impostos à
administração pública, os fornecedores já perceberiam que respeitar a
liberdade dos clientes e praticar preços justos sobre serviços é um
melhor negócio que levar o governo a distribuir o software deles para
a população, sem ônus e talvez sem suporte, e vão acabar percebendo
que os modelos de negócio do Software Livre acabam sendo mais
vantajosos mesmo, que formando uma comunidade participativa, cada um
tira dela mais do que coloca.

> Olhando na ótica capitalista é isso mesmo. *Porque eu vou gastar ou
> ajudar estruturalmente o próximo*? O meu umbigo é mais importante.

Porque é melhor ficar com só uma fatia de um bolo que cresceu muito
que com um bolo murcho inteirinho pra você.

> 1. O medo e desconhecimento das licença no modelo capitalista
> dificulta a liberdade de tudo.

Solução?  Informação, educação, muito trabalho anti-FUD e paciência.

>> Atento também para o fato de que você usa o termo Linux, o nome do
>> núcleo, para se referir a distribuições do sistema operacional GNU
>> combinado com o núcleo Linux.

> Já tá me apedrejando por eu ser um leigo e você um mestre?

Acho que não.  Se alguém agrediu alguém aqui, foi você, ao chamar um
dos "meus filhos" por um apelido que ele não gosta.  O nome dele é
GNU, e quando você o chama de Linux, está agredindo a mim e a todos
que contribuíram para o projeto para alcançar o objetivo de permitir a
todo o usuário de software utilizar computadores em liberdade.  Talvez
não tenha noção do tamanho da agressão, nem de quão prejudicial para
nossa causa essa agressão é.

Chamando-o por um nome que não remete à nossa causa, mas sim a uma
causa de desenvolvimento por mera diversão, de motivação econômica e
tecnológica, e não de respeito a direitos humanos essenciais, você não
só não nos dá crédito por nosso trabalho, você ainda nega ao nosso
movimento a divulgação de seu ideal, promovendo ao contrário um ideal
que faz chacota do nosso e que se orgulha disso.

Era isso que você pretendia?  Se não, será que poderia por favor
tentar evitar nos agredir dessa maneira?


A diferença é tão brutal quanto entre ser abolicionista da
escravatura, porque escravizar pessoas é um tremendo desrespeito a
essas pessoas, e promover o trabalho assalariado como forma de obter
mais ganhos com o trabalho dos outros, porque manter escravos é muito
mais caro, menos eficiente e menos divertido.

Enquanto nós lutamos pelo fim da escravidão digital, o pessoal que
chama o nosso sistema operacinal de Linux e promove nosso Software
Livre sob a bandeira de Open Source usa slogans que promovem o direito
de escolha de se escravizar ou não, que carrega a aceitação do direito
de alguém escravizar outrem.

> Cara quando você vier para fortal terei o maior prazer de te mostrar
> pessoas comuns para você conversar com elas que compraram o micro
> recentemente.

Diz que estarei por aí pro CESOL-CE, mas ainda não consegui ver quanto
tempo vou poder ficar.  Tá combinado!

>> Certamente desaponta, especialmente porque alguns dos objetivos do
>> programa eram justamente a popularização do Software Livre e do
>> GNU/Linux, o enfraquecimento do monopólio proprietário mediante o
>> crescimento da consciência de que há opções.

> Bem e ai?

Que tal o governo cobrar seriedade e qualidade para oferecer o
financiamento e o abatimento de impostos.

> Todos que estão trabalhando para o Software Livre. Se eu sou um pião
> da comunidade você é o Chefão:)

Opa, não sabia!  Pronto, renunciei.  Não mando coisa nenhuma.
Acredito em respeitar a liberdade dos outros, não mandar.  E não é só
porque, como descobriu o PT, ser oposição é bem mais fácil :-)

Tento oferecer argumentos pra convencer sobre o que acho certo, espero
que ajam de acordo com o que acho certo, até reclamo quando não agem,
mais ainda quando vejo que estão pisando no pé dos outros ou mesmo no
meu.

Agora, trabalhar para o Software Livre é um negócio meio difícil de
avaliar.  Tipo, tem um monte de gente por aí que acha que trabalha pro
Software Livre, até quer trabalhar pro Software Livre, mas por causa
da baita confusão que se fez com Open Source com seu modelo 'soft' de
aceitação da escravidão, acaba trabalhando pro Open Source e, quando
dá azar, contra o Software Livre.  Outros até entendem mais da coisa e
se alinham com o ideal do Software Livre mesmo, mas privilegiam o
curto prazo em detrimento do longo prazo, que é mais importante porque
dura bem mais ;-)  Assim, acabam sacrificando ou pelo menos
prejudicando a missão a longo prazo, mas se convencem de que fizeram
coisas boas porque alcançaram, às custas desses sacrifícios, avanços
visíveis no curto prazo, que muitas vezes se traduzem em barreiras
futuras para chegar ao objetivo final.

Até que ponto se pode dizer que essas pessoas fazem parte da
"comunidade de Software Livre", da maneira que você definiu acima?

> Estas várias em pontos comuns forma uma só.

Quando você pega os pontos comuns entre Software Livre e Open Source,
dá Open Source, não Software Livre.  Porque Open Source não faz
campanha pela elimitação do Software não-Livre, não sugere boicote e
resistência a ele.  Mas promove o desenvolvimento de Software sob
licenças que, em sua maioria, são Livres.

Então, se é pra pegar os pontos comuns, o correto seria chamar de
"comunidade de Open Source", infelizmente.  Mas aí quem acredita no
Software Livre e quer batalhar por ele até o fim naturalmente acha
ruim.  E quem não entende a diferença, ou joga pro outro time (sabendo
ou não), faz chacota e reclama do preciosismo ou até das pedras.  Aí
alguns acabam sacrificando o ideal maior pra não passar por essas
coisas, ou em prol da falácia do trabalho em conjunto por um ideal
comum, que na verdade não passa de uma pequena parte do caminho; pelas
falácias da busca por uma popularidade maior para fazer mais diferença
mais rápido, ainda que isso comprometa a possibilidade de chegar ao
resultado desejado.  É uma pena, mas um tanto de gente que acredita em
Software Livre acaba caindo nessas :-(

-- 
Alexandre Oliva         http://www.lsd.ic.unicamp.br/~oliva/
Free Software Evangelist  [EMAIL PROTECTED], gnu.org}
FSFLA Board Member       ¡Sé Libre! => http://www.fsfla.org/
Red Hat Compiler Engineer   [EMAIL PROTECTED], gcc.gnu.org}
_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista: 
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil

Responder a