Ridiculo ?

Criticando com um texto sem fonte ? Bem coisa do pessoal do PIB mesmo ! lol

Patético

2010/2/25 Heber Maia <heberm...@gmail.com>

> Este email enviado pelo Gabriel é o que eu chamo de dar de cara com a
> parede. Tentou ironizar a teoria do PIG e seu exemplo se transformou em
> modelo concreto da estratégia de ação mesquinha desta mídia ultrapassada.
>
> É isso aí. Quando se tem o PIG como base e fonte de argumentação corre-se o
> risco de fazer papel de ingênuo ou idiota. Agora é só escolher.
>
>
>
>  Para entender a 
> Folha<http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/02/24/para-entender-a-folha-2/>
>
> 1. Apesar do pioneirismo, da capacidade de se manter na liderança do
> mercado, da criatividade, 85% da receita da UOL provêm de assinaturas.
>
> 2. Trata-se de um cartório sem lógica econômica: para acessar a banda larga
> de uma operadora, o assinante precisa pagar para um provedor de acesso que
> nada tem a ver com a operação. Na verdade, já é possível ter banda larga sem
> o provedor. Mas a maior parte dos usuários não sabe disso.
>
> 3. Saindo a rede pública de banda larga, desaparece automaticamente a
> figura do provedor de acesso – que já deveria ter sido extirpada há tempos,
> porque é um cartório sem função econômica – inviabilizando a UOL.
>
> Por aí se entende o interesse da Folha em bombardear o projeto de banda
> larga do governo. O que não se entende é recorrer a manipulações
> jornalísticas óbvias, sabendo que podem ser desmascaradas na hora pela
> blogosfera.
>  Por UMA LEI PARA VIABILIZAR O UOL
>
> E quem que garantiu este cartório? Quem?
>
> Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e
> funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais, nos
> termos da Emenda Constitucional nº 8, de 1995.
>
> O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
>
> Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
>
> [ EM 231 ] [ Estrutura ] [ Livro I ] [ Livro II ] [ Livro III ] [Livro IV ]
> [ DispFinTran ] [ Anexos ]
>
> Brasília, 16 de julho de 1997; 176º da Independência e 109º da República.
>
> Fernando Henrique Cardoso
>
> Iris Rezende
>
> Antônio Kandir
>
> Sérgio Motta
>
> Cláudia Maria Costin
>
> Segundo a Lei Geral de Telecomunicações, art. 86:
>
> A concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado somente pode fornecer
> o meio de telecomunicações para a interligação entre usuário e provedor. A
> hipótese de ela mesma prestar o Serviço de Conexão à Internet está
> condicionada a constituição de empresa com este objetivo exclusivo.
>
> “Art. 86. A concessão somente poderá ser outorgada a empresa constituída
> segundo as leis brasileiras, com sede e administração no País, criada para
> explorar exclusivamente os serviços de telecomunicações objeto da
> concessão.”
>
> A Anatel diz que o serviço de provedor de internet (ISP), segundo a lei,
> estaria enquadrado como sendo de valor adicionado, e não como de
> telecomunicações. Então, como as empresas de banda larga só possuem licença
> para ofertar serviços de telecomunicações, não poderiam oferecer diretamente
> o acesso.
>
> Com está norma, o consumidor é obrigado a pagar em torno de 30 reais a
> mais, por um serviço, que tecnicamente não necessita somado com os preços já
> abusivos que são cobrados pelas operadoras devido à baixa concorrência do
> setor.
>
>
>
>
>
> 2010/2/23 Gabriel Peixoto <caradepe...@gmail.com>
>
>> <trolling mode enabled>
>>
>>
>> Oh meu Deus ! Mais uma do PIG e agora ? Só pode ser coisa daquele Reinaldo
>> !
>>
>> <trolling mode disabled>
>>
>> "Dirceu recebe de empresa por trás da Telebrás - Petista foi contratado
>> por ao menos R$ 620 mil por empresa beneficiada com reativação da estatal de
>> telecomunicações - Empresa nas Ilhas Virgens Britânicas comprou por R$ 1
>> rede de fibras ópticas que será usada por Telebrás e pode ficar com R$ 200
>> mi - O ex-ministro José Dirceu recebeu pelo menos R$ 620 mil do principal
>> grupo empresarial privado que será beneficiado caso a Telebrás seja
>> reativada, como promete o governo. O dinheiro foi pago entre 2007 e 2009 por
>> Nelson dos Santos, dono da Star Overseas Ventures, companhia sediada nas
>> Ilhas Virgens Britânicas, paraíso fiscal no Caribe. Dirceu não quis
>> comentar, e Santos declarou que o dinheiro pago não foi para "lobby". Tanto
>> a trajetória da Star Overseas quanto a decisão de Santos de contratar
>> Dirceu, deputado cassado e réu no processo que investiga o mensalão, expõem
>> a atuação de uma rede de interesses privados junto ao governo paralelamente
>> ao discurso oficial do fortalecimento estatal do setor. - De sucata a ouro -
>> Em 2005, a "offshore" de Santos comprou, por R$ 1, participação em uma
>> empresa brasileira praticamente falida chamada Eletronet. Com a reativação
>> da Telebrás, Santos poderá sair do negócio com cerca de R$ 200 milhões.
>> Constituída como estatal, no início da decada de 90, a Eletronet ganhou
>> sócio privado em março de 1999, quando 51% de seu capital passou para a
>> americana AES. Os 49% restantes ficaram nas mãos do governo. Em 2003, a
>> Eletronet pediu autofalência porque seu modelo de negócio não resistiu à
>> competição das teles privatizadas. Resultado: o valor de seu principal
>> ativo, uma rede de 16 mil quilômetros de cabos de fibra óptica interligando
>> 18 Estados, não cobria as dívidas, estimadas em R$ 800 milhões. Diante da
>> falência, a AES vendeu sua participação para uma empresa canadense, a Contem
>> Canada, que, por sua vez, revendeu metade desse ativo para Nelson dos
>> Santos, da Star Overseas, transformando-o em sócio do Estado dentro da
>> empresa falida. A princípio, o negócio de Santos não fez sentido aos
>> integrantes do setor. Afinal, ele pagou R$ 1 para supostamente assumir, ao
>> lado do Estado, R$ 800 milhões em dívidas. Em novembro de 2007, oito meses
>> depois da contratação de Dirceu por Santos, o governo passou a fazer
>> anúncios e a tomar decisões que transformaram a sucata falimentar da
>> Eletronet em ouro. Isso porque, pelo plano do governo, a reativação da
>> Telebrás deverá ser feita justamente por meio da estrutura de fibras ópticas
>> da Eletronet. Outro ponto que espanta os observadores desse processo é que o
>> governo decidiu arcar sozinho, sem nenhuma contrapartida de Santos, com a
>> caução judicial necessária para resgatar a rede de fibras ópticas, hoje em
>> poder dos credores. Até o momento, Santos entrou com R$ 1 na companhia e
>> pretende sair dela com a parte boa, sem as dívidas. Advogados envolvidos
>> nesse processo estimam que, com a recuperação da Telebrás, ele ganhe cerca
>> de R$ 200 milhões. Um sinal disso aparece no blog de José Dirceu: "Do ponto
>> de vista econômico, faz sentido o governo defender a reincorporação, pela
>> Eletrobrás, dos ativos da Eletronet, uma rede de 16 mil quilômetros de
>> fibras ópticas, joint venture entre a norte-americana AES e a Lightpar, uma
>> associação de empresas elétricas da Eletrobrás". O ex-ministro não mencionou
>> o nome de seu cliente nem sua ligação comercial com o caso. O primeiro post
>> de Dirceu no blog se deu no mês de sua contratação por Santos, março de
>> 2007. O texto mais recente do ex-ministro sobre o assunto saiu no jornal
>> "Brasil Econômico", do qual é colunista, em 4 de fevereiro passado. O
>> presidente Lula manifestou-se publicamente sobre o caso em discurso no Rio
>> de Janeiro, em julho de 2009: "Nós estamos brigando há cinco anos para tomar
>> conta da Eletronet, que é uma empresa pública que foi privatizada, que
>> faliu, e que estamos querendo pegar de volta", disse na ocasião. Lula não
>> mencionou que, para isso, terá de entrar em acordo com as sócias privadas da
>> Eletronet, entre elas a Star Overseas, de Nelson dos Santos, que contratou
>> os serviços de Dirceu. Enquanto o governo não define de que forma a
>> Eletronet será utilizada pela Telebrás, a CVM (Comissão de Valores
>> Mobiliários) conduz uma investigação para apurar se investidores tiveram
>> acesso a informações privilegiadas. Como a Folha revelou, entre 31 de
>> dezembro de 2002 e 8 de fevereiro de 2010, as ações da Telebrás foram as que
>> mais subiram, 35.000%, contando juros e dividendos, segundo a consultoria
>> Economática."
>>
>> _______________________________________________
>> PSL-Brasil mailing list
>> PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
>> http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
>> Regras da lista:
>> http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil
>> SAIR DA LISTA ou trocar a senha:
>> http://listas.softwarelivre.org/mailman/options/psl-brasil
>>
>>
>
> _______________________________________________
> PSL-Brasil mailing list
> PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
> http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
> Regras da lista:
> http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil
> SAIR DA LISTA ou trocar a senha:
> http://listas.softwarelivre.org/mailman/options/psl-brasil
>
>
_______________________________________________
PSL-Brasil mailing list
PSL-Brasil@listas.softwarelivre.org
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/psl-brasil
Regras da lista:
http://twiki.softwarelivre.org/bin/view/PSLBrasil/RegrasDaListaPSLBrasil
SAIR DA LISTA ou trocar a senha:
http://listas.softwarelivre.org/mailman/options/psl-brasil

Responder a