Mas o artigo do Jabor é tendencioso. Aliás como não poderia de ser. Mercenário da GLOBO, defensor das privatizações, chamando de dinossauros os defensores das estatais, quando não usava termos mais chulos.

O que é o parlamentarismo? Um dos golpes programados desde a constituinte pois o imperialismo tinha medo de líderes fortes com possibilidade de ganhar eleições´para presidente no lugar dos fantoches elaborados nos seus laboratórios. Infelizmente esses líderes foram desaparecendo a partir de 1994. Tentaram golpistamente antecipar o plebiscito aproveitando-se de um mal momento dos defensores do presidencialismo, mas fracassaram. Usando todo o poder da GLOBO tentaram de novo mas perderam o plebiscito. Mas hoje esse problema surge de outra forma para o imperialismo. Eles temem que a queda de Lula seja a queda do plano Real seja qual for o próximo presidente pois ninguém arriscará agora sem o poder dos sindicatos arrochar mais ainda o povo. O parlamentarismo seria a solução ideal em nome da estabilidade e sem nem uma figura para assumir a responasabilidade e canalizar o ódio do povo. Primeiros ministros eles mudam como cueca. E o povo ficará confuso tentando entender as novas regras eleitorais. Ganham mais um tempo.

Na realidade, o Sr. Jabor plagiou a escrita chinesa, já muito divulgada, com sua competência teatral, para a palavra crise. Em chinês, a palavra crise se escreve com duas outras palavras: risco e oportunidade. Só que é risco e oportunidade para as duas partes em luta: povo brasileiro e imperialismo americano. De 1980 para cá todas as crises (muitas forjadas) têm sido utilizadas para impor o neoliberalismo no Brasil. Como dizia Greg Palast em seu livro, A Melhor das Democracias que o DinheiroPode Comprar, Ed. Francis: "a crise tem suas utilidades". Foi com a crise de 1998/99 que Robert Rubin se tornou o presidente de fato do Brasil, como já tinha se tornado o presidente de fato do México com a crise de 1994. A crise faz parte dos planos neoliberais. Mas a crise pode fazer eles darem com os burros nágua também É risco para os dois lados.

Essa crise atual era favorável ao povo brasileiro no início pois ela não foi provocada por eles, surgiu de uma crise entre o executivo e o legislativo devido á nazistificação do sistema republicano levada a cabo pelo PT. Mas ela já começa a dar mostra de reversão diante de uma estratégia combinada da GLOBO, PT e executivo de banalizar os fatos, desqualificar o Roberto Jeferson e outrass testemunhas e inventar uma solução política que pode ser por exemplo, o parlamentarismo. O artigo de Jabor tem todos esses ingredientes: desqualificar o Jeferson, fazer tábula raza de todos os partidos e homens, banalizar os fatos ("que a corrupção é terrível não pelo roubo de grana e de galinhas mortas") e proclamar a necessidade de manter a estabilidade do plano real ("A corrupção é terrível porque impede a governança") e conclui pela implantação do parlamentarismo e não a cassação dos responsáveis. Em outras palavras: É UM CANALHA.

Para a crise se tornar uma oportunidade para o povo brasdileiro, tem-se que pedir justamente o contrário: Impeachment do presidente, aprofundamento da invstigação com o novo governo, punição exemplar dos culpados até com leis de exceção, suspensão imediata do pagamento da dívida externa, que é desse dinheiro que vem os 5% para os mensalões, e nenhuma preocupação com estabilidade econômica, pois o Brasil é o país que menos precisa de ajuda externa no mundo.

F. Santana







----- Original Message ----- From: "maneschy" <[EMAIL PROTECTED]>
To: <voto-eletronico@pipeline.iron.com.br>
Sent: Tuesday, August 23, 2005 2:18 PM
Subject: [VotoEletronico] Re: Viva a crise!



Carriles, de onde veio este texto????

On Tue, 23 Aug 2005 09:39:02 -0300, Alejandro Carriles wrote
Viva a crise!

Acrise é boa. Nada melhor que uma crise para nos dar a sensação de
que a vida muda, que a história anda, que a barra pesa. A crise nos
tira o sono e nos faz alertas. A crise nos faz importantes pois,
subitamente, todos se preocupam conosco - nós, a opinião pública,
 nós o "povo", nós, os babacas que todos preferiam na sombra, na
modorra e que, de repente, podem sair batendo panelas nas ruas. A
crise nos inclui na política. Aliás, crise no Brasil é quando a
política fica visível para a população.

A crise é boa porque acabaram as crises cegas, radiofônicas, anos
50. Hoje as crises são "online", na internet, nos celulares, com
todas as sacanagens ao vivo, imediatas. A crise é uma aula, quase um
videogame. A crise é um "thriller" em nossas vidas.

A crise nos permite ver a verdade. Mas, como - se todos mentem o
tempo todo? A crise nos ensina a ver a verdade de cabeça para baixo.
Ensina que a verdade é o contrário de tudo que dizem os depoentes,
testemunhas e réus. A verdade é tudo que os políticos negam.

A crise é boa para conhecer tipos humanos. Temos de tudo - uma
galeria de personas, de máscaras, de bonecos de engonço, de
mamulengos, temos um "reality show" sobre o Brasil, temos o desfile
de caras, de bocas, de mãos trêmulas, de risos e choros
constrangidos, temos as vaidades na fogueira, os apelos à razão,
temos os clamores de honradez, os falsos testemunhos, os tratamentos
arcaicos, antigas gramáticas, temos as vossas excelências, as
senhorias, vemos os alicerces do país aparecendo, a lama debaixo das
dignidades, temos os intestinos, os pés de barro, os nós na tripa,
temos os apêndices supurados, temos os miasmas que nos envenenam
aparecendo sob a barra da saia de juízes e desembargadores, as
sujeiras escorrendo sob as frestas da lei. E tudo vai diplomando o
povo em ciência política. A crise é boa também para acabar com
alegorias proletárias, com a crença de que operário teria um saber
metafísico e santificado e mostra que para ser presidente tem sim
que estudar e ter competência.

A crise é também aula de teatro. A crise nos revelou a revolução
dramática de Roberto Jefferson. Trata-se de um "Gargantua", um ex-
Pantagruel, um raro tipo rabelaisiano que se virou ao avesso e
transformou merda em ouro, mentira em verdade. Jeff é o anti-herói
heróico. Jeff conhece a boca do boi, a baba das coisas, a barra
pesada. A verdade de Jeff tem a legitimação do crime assumido. Jeff
suja a limpeza e não denuncia exceções, mas exibe a Regra. Crise
também é cultura. A crise é Brecht, Shakespeare, Nelson Rodrigues. A
crise tem até a casa da mãe Joana, Jeanne.

Jeff nos mostrou que o crime político não é um defeito; é uma
instituição. Jeff é a prova de tudo que Sérgio Buarque estudou. Se
Jeff não existisse, tudo estaria rolando no banho-maria do PT e do
Dirceu-2010. Ouso dizer: por vielas mal freqüentadas, Jeff fez um
grande bem ao Brasil.

Jeff faz dupla com Dirceu, seu alter ego, seu espelho. Não haveria
um sem o outro. Dirceu desprezou Jeff e este o destruiu.

A crise ensina que a salvação do país é destruir os esquemas que
Jeff denunciou e que a destruição do país seria seguir o que Dirceu
queria. A crise nos espanta: como um sujeito só como Dirceu consegue
acabar com 25 anos de um partido, com um Governo e consigo mesmo? A
crise nos ensina o horror do narcisismo totalitário.

A crise ensina que os velhos "revolucionários" têm um comportamento
parecido com os políticos oligárquicos. Ambos trabalham na sombra,
na dissimulação, no cabresto dos militantes.

A crise acaba com a mitificação do PT como o partido dos "puros".
Acaba essa bobagem alegórica e messiânica em que muito intelectual
acreditou. A crise humaniza os petistas, pois os há honestos,
 românticos, corretos e os há também ladrões, medíocres, famintos e
boçais. A crise vai reformar a idéia de "esquerda" no país. Vai
criar uma esquerda mais verdadeira, mais útil, mais possível. A
crise acabará com os fins justificando os meios, a crise acaba com o
"futuro" e nos trará o doce, o essencial presente, a crise nos dá
uma porrada na cara para deixarmos de ser bestas.

A crise é boa porque acaba com as ilusões do povo. A crise é boa
para gerar crise nas pessoas, crise existencial.

A crise é boa porque desmoraliza a ópera bufa em que vivemos e traz
a verdade da tragédia real. A crise acaba com a esperança e estimula
a vigilância crítica.

A crise ensina que ninguém é "revolucionário" ou "herói" ou
"comandante supremo" ou "companheiro"; as pessoas são narcisistas,
compulsivas, agressivas, dependentes, invejosas, fracassadas, com
problemas sexuais. A crise ensina mais Freud do que Marx. A crise
mostra que a velha esquerda não tem programa; tem um sonho. Que vira
pesadelo.

A crise ensina que muito mais importante que estudar a miséria do
país é estudar a "riqueza" do país. A crise mostra que não adianta
mostrar os horrores da miséria e dos despossuídos. São conseqüências
da verdadeira miséria que nasce nos intestinos das classes altas. A
miséria é a riqueza, a miséria é a própria política. A crise ensina
que revolução no país tem de ser administrativa e não "de ruptura".
A crise ensina que nossa política é tão medíocre que nos últimos
meses bastou a economia; política não fez falta. A crise mostra que
o Brasil progride enquanto dorme.

A crise nos mostra que a corrupção é terrível não pelo roubo de
grana e de galinhas mortas. A corrupção é terrível porque impede a
governança. A crise é boa pra mostrar a urgência da reforma do
Judiciário; existe a Polícia Federal, o Ministério Público, mas tudo
cessa quando cai na Justiça, a cama de todos os vícios. A crise
mostra que o problema do país são os aparelhos do Estado que não
estão mais preparados para governar. E prova que o presidencialismo
de coalisão é impossível. A crise mostra que só uma forma de
Parlamentarismo pode resolver nosso inferno.

______________________________________________________________
O texto acima e' de inteira e exclusiva responsabilidade de seu
autor, conforme identificado no campo "remetente", e nao
representa necessariamente o ponto de vista do Forum do Voto-E

O Forum do Voto-E visa debater a confibilidade dos sistemas
eleitorais informatizados, em especial o brasileiro, e dos
sistemas de assinatura digital e infraestrutura de chaves publicas.
__________________________________________________
Pagina, Jornal e Forum do Voto Eletronico
        http://www.votoseguro.org
__________________________________________________


Assine o manifesto pela segurança
e transparência do voto eletrônico em:
http://www.votoseguro.com/alertaprofessores

______________________________________________________________
O texto acima e' de inteira e exclusiva responsabilidade de seu
autor, conforme identificado no campo "remetente", e nao
representa necessariamente o ponto de vista do Forum do Voto-E

O Forum do Voto-E visa debater a confibilidade dos sistemas
eleitorais informatizados, em especial o brasileiro, e dos
sistemas de assinatura digital e infraestrutura de chaves publicas.
__________________________________________________
Pagina, Jornal e Forum do Voto Eletronico
       http://www.votoseguro.org
__________________________________________________

Esta mensagem foi verificada pelo E-mail Protegido Terra.
Scan engine: McAfee VirusScan / Atualizado em 23/08/2005 / Versão: 4.4.00/4565
Proteja o seu e-mail Terra: http://mail.terra.com.br/


__________ NOD32 1.1199 (20050822) Information __________

This message was checked by NOD32 antivirus system.
http://www.nod32.com



______________________________________________________________
O texto acima e' de inteira e exclusiva responsabilidade de seu
autor, conforme identificado no campo "remetente", e nao
representa necessariamente o ponto de vista do Forum do Voto-E

O Forum do Voto-E visa debater a confibilidade dos sistemas
eleitorais informatizados, em especial o brasileiro, e dos
sistemas de assinatura digital e infraestrutura de chaves publicas.
__________________________________________________
Pagina, Jornal e Forum do Voto Eletronico
       http://www.votoseguro.org
__________________________________________________

Responder a