Grande Hugo,

> > Cara, confesso que ainda não entendi... :-)
> 
> Meu... Pra que escrever 73 linhas de codigo para gerar uma linha
> <p>Hello World</p>
> 
> Se a gente pode agarrar na bosta do <p>Hello World</p> e colocar na
> pagina???

ah... mas aí que está! A questão é que para gerar esse hello world
simples com ZPT o código usado fica igual a fazer na mão, ou seja:

  <p>Hello World</p>

As coisas começam a ficar interessantes quando o conteúdo a ser
apresentado tem que ser dinâmico, onde em ZPT, como tu sabes,
bastaria alterar para:

  <p tal:content="context/getTexto">Hello World</p>

Se isso fosse feito com Python puro, seria algo como:

  "<p>%s</p>" % contexto.getTexto()

Em DTML, deus me livre, assim:

  <p><dtml-var getTexto></p>

Ou para ficar ainda pior... :-)

  <p>&dtml-getTexto;</p>

E por aí vai... Note que no caso acima temos apena o conteúdo
do parágrafo dinâmico. No caso daquelas 73 linhas, tem *muita*
coisa sendo feita no meio (imagens/links/...) e o HTML final
não fica muito longe das 73 linhas, apesar de, no browser, ela
aparecer visualmente apenas como uma linha.

Mostre esses 4 pedaços de código para um designer e peça para
ele alterar alguma coisa. No ZPT, que usa apenas um namespace
adicional, garanto que não haverá problemas, já em relação ao
resto...

Resumindo: *eu* ainda prefiro ZPT e só estou argumentando para
mostrar os motivos. É obvio que eu não preciso catequizar todo
mundo...

> > ZPT, como o nome diz, são apenas templates para gerar código HTML.
> > Esses templates, que nada mais são do que arquivos HTML com áreas de
> > marcação predefinidas, são então usados para gerar conteúdo dinâmico.
> 
> Precisamente!!! Qualquer dia temos uma porra de um PLT (Python
> Language Template) que vai gerar codigo Python...
> E a minha pergunta vai se repetir de novo... Pra que usar o PLT se
> podemos agarrar no vi e escrever Python directo???

Eu não exageraria tanto, afinal Python está intrinsicamente
relacionado à lógica da aplicação. A menos que fosse algo como
um Clipper da vida, que a propósito eu gostava muito... :-)

>> Como você geraria o mesmo HTML diretamente? Embutindo a lógica junto
>> com a apresentação, à la PHP, ou mesmo DTML? Como se usaria HTML
>> direto (ou mais direto do que com ZPT) nesse caso?
> 
> O Zope ja tem objectos muito bons pra separar logica de
> apresentacao... vide DTML Method vs DTML Document... Basta usar os
> recursos que ja temos!

Deixa eu confessar que eu já fui um super fã do DTML, sério. Levou
um bom tempinho até eu me acostumar com ZPT, mas foi um caminho sem
volta.

Hoje em dia eu pego *qualquer* ZPT feito por aí, bato o olho e já
altero o que eu preciso. De forma similar, eu bato o olho nos meus
próprios DTMLs e fico abismado com o que eu vejo... :-)

> <uuuuhuuuu>
> Doidas gostosas a torrar ao sol...
> </uuuuhuuuu>
> 
> Ou prefere escrever 73 linhas para gerar este HTML acima??? :-)

Não exagera Hugo, em situações simples como essa, praticamente
todo e qualquer método vai usar apenas *uma* linha.

Sendo sincero, a questão nem é o número de linhas, mas sim a
legibilidade e manutenabilidade da coisa, motivos pelos quais
todos nessa lista são amantes de Python.

Eu até ia converter aquelas 73 linhas para código DTML para te
mostrar que em DTML não fica melhor, mas acho que não preciso,
não é mesmo? ;-)

[]'s

-- 

Dorneles Treméa
X3ng Web Technology

Responder a